sexta-feira, 22 de setembro de 2017

habitação

em uma casa o mundo de um universo menor habita suas memórias 
a experiência de um cômodo cercado de paredes riscadas por um meu nome
gesto e fábula, a imaginação percorre possibilidades. 
em uma casa uma vida pode habitar muito modos e passagens. os mesmos pés ganham formatos e tamanhos, transitam os corredores, se molham no sabão, na cera e no pó. enquanto um corpo se arrepia debaixo do cobertor, da água quente. um gemico ocupa o lugar do grito. a fome supera o medo, e atravessa um comodo inteiro a meia luz. 

terça-feira, 5 de setembro de 2017

8h

desperto em meu próprio acordei,
e de dentro dum dos volumes - um riso. 
e sei com cio de desaber 
que em meu corpo pairam outros.
sabe a cama, ou sabe o ar do quarto fechado
sobre as presenças ocupantes?
(eu não ousaria começar a escrever se soubesse por onde começar)
ele o olho, sobe e desce o pé de manjericão ressecado. 
me acostumei com palavras na ponta da boca,
treinei uma incisão entre a capacidade e a performance. 
o que resta, meu gesto congelado, ainda na cama com
os olhos acordados. 
espremo o sexo rígido contra o colchão:
"difícil imaginar um objeto com nome de coisa"
o peso da sola dos membros tocarão a poeira na madeira, 
sigo, ou preciso, abrir a cortina, deixar a luz arrebentar.
escultura torta no lençol:
um corpo precisa flutuar, outro de uma ponte entre a
luz e a ponta do dedo, outro de peso, 1 palmo de café,
outro de água para as plantas e duas gotas sob os próprios olhos
e outras duas para as narinas.
da ponta da vontade mais uma palavra oca:
alguém.